Capítulo 08

Mediunidade não é boa e nem ruim, quem determina seu uso é o médium!

Veja esse vídeo que preparei pra você sobre esse capítulo

Conheça a Vivência Online que te ensina a colocar em prática tudo que aprendeu no livro comigo

Preencha com seus dados abaixo e entre para a lista de espera da próxima turma!

[activecampaign form=79 css=1 ]

Participe da discussão

18 comentários

    1. Venho de uma casa espirita kardecista, fiquei 6anos, porem neste tempo comecei dar pacividade preto velho, pomba gira, enfim educadamente me alertaram para procurar outro lugar explicasse melhor. Assim ne afatei tem quase 08 anos e somente agora tomei decisao de procurar, conhecer a umbanda. Seu livro e primeiro q estou lendo sobre o assunto e estou muito dedicada em entender e aprender, muito incrível.

  1. Boa noite, Pai Rodrigo
    Sua benção
    No subtítulo “vibrações” surgiu uma dúvida…Quando o medium está incorporado e a entidade decide fazer um transporte, como citado no livro, o medium tem ciência disso? Nesse caso o caboclo, “avisa” o medium do transporte ou esse medium sente apenas as alterações de vibrações?
    Obrigado
    A obra é incrível

    1. Minha casa não é federada realizamos atendimentos nassegundas e quartas e terça estudamos a doutrina, mas nós atendimentos trabalhamos todos de jalecos brancos encorporados com entidades, pretos velhos gostaria de um olhar para esse tipo de trabalho que se torna um pouco diferente, e uma casa pequena mas chegamos a atender até 100 pessoas por semana des de já agradeço.
      O livro está sendo um divisor de águas pois sou responsável pelo estudo e estamos estudando Missionarios da Luz.

  2. A dois dias atrás. Eu achei que foi sonho mas foi muito vívido. Parecia que ladrões estavam subindo uma escada que chegava ao terceiro andar da minha casa pela janela. Eu não deixei entrar fechando a janela. Mas um deles era bem negro e magro e disse pra mim que ia voltar. Quando acordei ficou a impressão de que era verdade. Como se eu ficasse me perguntando foi sonho? Isso aconteceu? E a pergunta é. Rodrigo :Os ladrões eram espíritos que queriam entrar e não conseguiram? Peço sempre proteção em minhas orações. Gratidão . Um abraço.

    1. Pai Rodrigo ! Já ouvi dizer e por um bom tempo acreditava, mais já presenciei um exu dizendo que vai lá cobrar o que a pessoa fez de mal a outra. Isso não faz sentido pq se é amor não tem vingança, minha duvida é, pode ser só conversa do médium ou não é mais um exu ?

  3. Boa noite ,Gratidão pela forma como venho tendo informações sobre o sagrado a partir da umbanda ead,sempre me sentindo seguro e esclarecido, sendo livre e responsável por minhas ações,umbanda é pra mim,auto conhecimento.

  4. Pai Rodrigo Axé. Esse capitulo 08 é muito esclarecedor sobre cada ponto colocado. Estou a cada página entendendo melhor o ser médium de terreiro. Gratidão por tantos ensinamentos. Além de estar lendo o livro, acompanho diariamente as lives ao vivo.

  5. Ao colocarmos nossa mediunidade à disposição da Umbanda nós deixamos de fazer caridade e passamos a ser a própria caridade.

  6. No terreiro em que frequentava, o dirigente tinha um discurso e fora do terreiro praticava o contrário. Quando a gira terminava ele já julgava, falava mal dos consulentes, não praticava o amor (daí meu questionamento se ele estava mesmo incorporado ou era puro animismo, manipulação). Sei que não devemos julgar, mas foi justamente o sentimento que comecei a ter. Se a umbanda como diz em seu hino é paz e amor, caridade, pq isso acontecia? O medium se afastava da casa e o dirigente já apontava seus defeitos e já o condenava, o médium era a pior pessoa, ele fazia com que os outros médiuns da casa não tivessem mais contato com o que saiu. Isso aconteceu comigo e meu marido, começamos a nos perguntar se isso fazia parte da mediunidade de terreiro pq viemos do espiritismo. Ele ensinava que ser medium de terreiro fazia dos médiuns melhores que as outras pessoas, chegou ao ponto de uma criança amigo do filho dele, melhorar de um câncer e ele dizer que foi por causa das orações e dos atendimentos naquele terreiro. O câncer da criança voltou agora… Então a virada de chave em nossa caminhada foi sair de lá e começar a estudar. Nos matriculamos na TU e estamos aqui estudando, lendo sobre a mediunidade de terreiro e tendo cada vez mais certeza de que nossa intuição está nos levando para o caminho certo do conhecimento. Axé e gratidão!

  7. A minha origem é o candomblé, mas discordo de muita coisa lá, por exemplo: sacrifícios de animais em excesso, muitos trabalhos caros para desmanchar um trabalho, ou para tratar um problema de ordem espiritual que afeta a saúde de uma pessoa, muita vaidade e rivalidade entre os irmãos de santo, entre outras coisas. Para mim a umbanda simplifica tudo, trabalhando com a energia dos guias e orixás, assim como o trabalho com elementos da natureza, o contato com a força da natureza, que está a disposição de todos, os trabalhos na umbanda é caridade e não comércio, isso me atraí, e espero até o final do livro ter uma opinião formada que me direcione para um novo caminho.
    Axé!

  8. Nesse vídeo eu entendi melhor a sua visão qnd vc diz que a mediunidade não é missão (p/ evitar orgulho) e não é carma (p/ evitar o peso), nesse sentido de evitar, eu concordo com vc. Porém, de fato, se a gnt olhar com olhos bem claros sobre ela, a gnt vê que ela é sim uma missão, pq ela nos foi dada por Deus pra fazer o bem, mas vc é quem decide a direção q vai dar a ela. E ela tbm acaba sendo nesse sentido, um instrumento de resgate, de reparação, das coisas ruins que fizemos no passado, pois “o amor cobre uma multidão de pecados”, e pq com ela podemos fazer muito o bem, somos chamados a isso, a nos dedicar a isso, porém feliz é quem obedece ao chamado. Vemos isso claramente na mediunidade da Yvone do Amaral Pereira, a missão e o resgate que foi a sua mediunidade em relação aos suicidas.

  9. Quando entrei no terreiro como consulente ficava olhando os atendimentos e achava lindo. Mas ficava preocupada, e pensava como lidar com isso em relação ao ego? Para os mediuns.
    Este capítulo ajuda muito a colocar, cada coisa no seu lugar e a verdadeira parceria que devemos realizar com nossos guias.
    Gostei muito do ponto onde fala da importância do estudar, para podermos abrir maiores possibilidades nos trabalhos em parcerias com os nossos guias. Obrigada pai Rodrigo.

  10. Muito bom esse espaço para refletirmos sobre a mediunidade por amor, dissociado do viés do medo ou do fascínio.
    Saravá!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instituto Cultural Aruanda – Umbanda EAD
CNPJ: 08.717.697/0001-28
Rua Albuquerque Lins, 6-2, Falcão
Bauru-SP, CEP 17050-010
Telefone: [14] 3010-7777

Preencha o formulário para liberar o conteúdo