Capítulo 14

Animismo e Mistificação na incorporação

Entenda como eu percebo essas diferenças no meu grupo de médiuns!

Conheça a Vivência Online que te ensina a colocar em prática tudo que aprendeu no livro comigo

Preencha com seus dados abaixo e entre para a lista de espera da próxima turma!

[activecampaign form=79 css=1 ]

Participe da discussão

7 comentários

  1. Pai Rodrigo
    Animismo seria quando o médium trás as características e possíveis comportamentos (modo de andar, dançar) e expressões (brados, tom de voz e tiques) da entidade que ele incorpora?

    1. Não, animismo é o próprio sujeito imprimindo suas ideias na comunicação, sem intenção clara disso.

  2. Bom Dia
    Este tema foi dado pelo meu Pai de Santo na primeira reunião da Casa. Faz mais ou menos uns três anos… Você fez eu lembrar e refletir mais sobre o assunto. Gratidão…Adorando o livro….vai ser meu livro de cabeceira🙌🙏

  3. Ótimo ! Uma dúvida é que a maioria hoje é médium semi-inconsciente, então ele e a entidade incorporada estão juntos o tempo todo, logo o animismo acontece o tempo todo. Nesses casos, acredito que não tem como a gente entregar nosso veículo, dar um passo atrás, e deixar ser conduzido pelo transe por completo, sendo o passageiro e observador (como vc escreve nesse capítulo), porque você tá ali, vc faz as coisas, ouve, vê, deixa a entidade se mexer, entende que ela quer se mexer e falar e aí vc se mexe e fala. O q vc me diz disso ? Um médium semi-inconsciente pode fazer isso ? Nesse caso eu acredito que já é mais pro final do capítulo, de usar seu animismo pro bem, falando o bem, uma porcentagem vc e outra a entidade.

  4. Axé Pai Rodrigo. Esse capítulo sobre animismo e mistificação vem de encontro a dúvidas que muitos têm e não sabem lidar. Gratidão pelos esclarecimentos.

  5. Sua benção, pai Rodrigo!
    Esse capítulo do livro que discorre sobre animismo e mistificação foi muito importante pra mim, principalmente quando, no vídeo, o Sr fala que só quem se preocupa com isso está querendo acertar.
    Eu fazia desenvolvimento mediúnico e teve um momento que perguntei a minha sacerdotisa o que estava acontecendo comigo, ela respondeu: animismo minha filha, embora sua cabocla estivesse do seu lado.
    Desde então evito as giras e quando vou, faço questão de não me concentrar, e sinceramente não sei porque ainda apareço no terreiro.
    Fiquei extremamente decepcionada comigo mesma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instituto Cultural Aruanda – Umbanda EAD
CNPJ: 08.717.697/0001-28
Rua Albuquerque Lins, 6-2, Falcão
Bauru-SP, CEP 17050-010
Telefone: [14] 3010-7777

Preencha o formulário para liberar o conteúdo