Capítulo 10

Existem rituais que melhoram e propiciam a incorporação, assim como algumas coisas abrandam-a

Vou comentar aqui um pouco mais sobre o que vimos nesse capítulo!

Conheça a Vivência Online que te ensina a colocar em prática tudo que aprendeu no livro comigo

Preencha com seus dados abaixo e entre para a lista de espera da próxima turma!

[activecampaign form=79 css=1 ]

Participe da discussão

23 comentários

  1. Maravilhoso. Sim, acho muito importante continuar me relacionando com os guia em casa. Mas estou iniciando e não sei como posso criar essa afinidade.

    1. Essa é a minha maior dificuldade no momento. Consigo sentir a presença dos meus guia, incorporei em algumas giras mas ainda não tenho a percepção de comunicação tão clara em casa. Ainda. Mas sei que isso vai se clarear. Por enquanto sigo fazendo minhas orações e acendendo minhas velas. Gosto de tomar chá de anis antes das giras. Tem me ajudado também. Parabéns pelo livro, Pai Rodrigo! Seu material está sendo muito esclarecedor e importante!

  2. Eu e meu marido temos nosso congá em casa e ascendemos velas , incensos e agora estamos aprendendo outros rituais com vcs da Umbanda EAD , bom demais…

  3. Pai Rodrigo.
    Meu relacionamento com os orixas e minha família espiritual é diário durante minhas orações. Sinto muita vibração, mas até hoje nunca consegui nenhum contato com meus guias. No terreiro acendo velas para os orixas e para caboclo e preto. Já dei passe irradiado levando os conhecimentos e o amor no coração para passar minha energia ao consulente, para que ele pudesse ter o objetivo dele alcançado naquele dia. Mesmo diante desse quadro sei que sou um instrumento mas estou 100% lúcido no que estou fazendo.
    Em suma o pensamento sempre em fazer o bem a todos vieram buscar um alento.
    Posso já estar sendo direcionado pelo meu guia ou não?

  4. Também quero mais informações de como criar mais intimidade com orixás
    Tenho que firma vela todos os dias?

  5. Sim. Estou buscando me relacionar diariamente com meus orientadores espirituais. Nem sempre consigo ter disciplina no horário, mas procuro seguir uma rotina. Estou bem mais segura agora durante as incorporações.

  6. Pai Rodrigo, isso é uma coisa que me intriga, pois eu sinto a necessidade de me aproximar mais de minhas entidades, porém não sei como nem por onde começar, toda segunda feira acendo uma vela e ofereço um cafezinho para o meu preto velho, porém não sei o nome dele ainda, minha única entidade que se apresentou foi meu Exu Capa Preta, porém fico com essa dúvida, como ofereço vela as minhas entidades? Como posso me relacionar mais com elas? Tenho tantas dúvidas rsrsrs! Agradeço suas orientações

  7. Estou fazendo essa afinidade em casa porém ainda há dúvidas de como fazer para todas entidades ou orixás , é só velas e banhos ou que mais pode ser feito , por exemplo pra minha mãe de cabeça Yansa , como posso iniciar uma afinidade além de vela????

  8. No terreiro que frequento todas sexta e sábado de gira de caboclo, preto velho etc e em casa tenho meu conga onde firmo minhas velas e tomo banho de ervas sempre que nessecito sendo maserada ou secas e na porta de entrada tenho meus vazos de 7 ervas .

  9. Pai Rodrigo!!!
    Estou cada vez mais apaixonada pela umbanda. Sou iniciante e quero muito estabelecer contato frequente com essa minha linda família espiritual!!! Tenho muito que aprender e me desenvolver, mas sei esse é o meu caminho!!! Agradecida pelos seus ensinamentos.

  10. Me relaciono com meus Guias em casa através de reza, velas e defumações. Sou aprendiz de uma casa Umbanda de luz e caridade que segue o rito Male. Falo quando necessário no meu conga pessoal.

  11. Estou em desenvolvimento alinhando com os conhecimentos q vcs passam por aqui pelos livro e vídeos fazendo uma junção e aprendendo a firma a cabeça, conexão com os guia e orixas graças a deus da forma q venho fazendo consigo sentir uma incrível mudança, obrigado pelos ensinamentos q vc passam , muito axé e sarava

  12. Tenho 52 anos, minha aproximação com a Umbanda foi por meio da minha esposa e filha. Sempre os acompanhei em alguns terreiros, tento um mais antigo, onde minha filha trabalhou. Tenho uma formação acadêmica que me orientou por décadas sou Doutor em Ciências, inclusive tido orientado algumas teses de sacerdotes da Umbanda e Candomblé. Meus alunos, sempre me virão com um ateu, contraditoriamente fui atraído por muitos que se sentiram acolhidos, pela minha visão racional de mundo sem preconceitos. O que justamente minha atraía no terreiro a identificação de uma religiosidade marginalizada. No entanto, o meu posicionamento nas sessões de terreiro eram sempre de duvidar. Nesse ano, aconteceu muitos eventos que deixarem próximo de desistência desse mundo terreno. No último mês, próximo do meu aniversário, fui uma consulta de Búzios na mãe de Santo do Terreiro que costumo acompanhar minha família. Depois da consulta, ela pediu que cozinhasse um feijão para Xangô e colocasse no quarto de Exu e acendesse uma vela e pedisse luz. Quando me abaixei…não consegui mais ter o controle total do meu corpo e soltei muitas gargalhadas que estavam engasgadas. Fiquei tentando, me recompor…minha esposa e a mãe de Santo me acompanharam até eu voltar. Quando voltei estava muito bem, forte, como se algo que tivesse saído de mim. Minha vontade pela vida foi restabelecida. Desde de então, tenho tido mais encontros. No terreiro , recebi um preto velho, estava na assistência. Inclusive em casa, no trabalho, quando a loja tinha fechado recebi um preto velho, dessa vez consegui falar com a minha esposa. Como minha formação acadêmica, estou indo atrás do conhecimento, seu livro, foi lido em dois dias, e está me ajudando bastante. Acredito que a questão da aceitação está mais tranquilo, tinha dúvidas por causa da idade. Você fala de crianças e adolescentes, mas não de pessoas que tem esse encontro no meu caso depois de 50 anos. Estou me preparando para começar meu desenvolvimento orientado, tem um novo mundo e uma nova vida para experimentar e vivenciar.

  13. Ótimo vídeo! Estudar, ir nas giras, orar, seguir as orientações do terreiro, criando compromisso com as entidades e se desenvolvendo. Eu penso q podemos sim nos conectar com os guias em casa, e podemos fazer isso pelo pensamento mesmo, lembrando deles, seguindo suas orientações, fazendo o bem, estudando, honrando seus ensinos. Uma dúvida , nesse capítulo vc diz que as grávidas tem uma proteção imensa do filho na barriga, q isso é inatingível. Eu tenho certeza q tem proteção, mas penso q ela pode ser atingida sim, prejudicada, atacada, por trabalhos de maldade. Eu já soube de alguns casos de trabalhos pra prejudicar bebês na barriga. Deu tudo certo no final com o bebê, mas foi uma situação difícil.

  14. Rodrigo Boa Tarde!
    Estou aprendendo muito com seu livro.
    Sim, gostaria de saber como interagir mais com as Entidades.
    E gostaria de participar de grupos, para ficar com mais conhecimentos .
    Grata, Anamari

  15. Eu não consigo manter relações com os guias em asa pois moro em um lar evangélico. Mas sempre mantenho preces evocando-os e sempre que, paro para prestar atenção, sinto a presença deles (nem sempre o mesmo é claro).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instituto Cultural Aruanda – Umbanda EAD
CNPJ: 08.717.697/0001-28
Rua Albuquerque Lins, 6-2, Falcão
Bauru-SP, CEP 17050-010
Telefone: [14] 3010-7777

Preencha o formulário para liberar o conteúdo